segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ás vezes, nos cada vez mais raros, momentos de pausa e lucidez que me vão restando dou comigo a pensar naquela liberdade, que posso descrever como se de uma forte rajada  de vento se tratasse... que nos impele a tomar decisões sem sentir o peso de estar a decidir também sobre o futuro de outro alguém.

1 comentário:

  1. Enfim....nunca se é plena e totalmente livre.
    maria

    ResponderEliminar